Estamos em 2018, mas infelizmente ainda existem pessoas que vivem na idade das pedras. Várias pesquisas nacionais e internacionais revelam que o público feminino corresponde por cerca de metade dos jogadores de games e muitas dessas mulheres A-I-N-D-A- sofrem com preconceito e até mesmo com perseguição no mundo digital.

Por causa desses motivos desagradáveis muitas jogadoras acabam usando avatares e até mesmo nomes masculinos online para esconder seu gênero. E aí que a Ong Wonder Women Tech (WWT) quer mudar isto. Ela lançou a campanha #MyGameMyName para as mulheres não se esconderem online.

O argumento é de que os jogadores homens só vão reconhecer a presença das jogadoras se elas marcarem presença: não dá pra falar que mulheres não são gamers se você estiver jogando com elas o tempo todo.

E para disseminar a ideia, a WWT fez várias parcerias e até convidou youtubers e influenciadores do mundo todo para promoverem essa ideia. A forma encontrada foi interessante: muitos deles jogaram online usando um nome feminino. O experimento serviu para ver o resultado de ser supostamente uma mulher online e registrar o assédio sofrido.

Entre os convidados brasileiros estão Fe Batista, Cavaco, Mudinho, Patriota, Davy Jones e Daniel Marcon.

Confira: